23/10/2014

ROSE NORONHA, A AMANTE DE LULLA.


“Aqui entre Nós”, com Joice Hasselmann e Augusto Nunes: como Lula quer que seja gentil com todas as mulheres, Aécio deveria perguntar-lhe por que foi muito mais generoso com a quadrilheira Rose Noronha.

No Aqui entre Nós, da TVeja, Joice Hasselmann e Augusto Nunes conversaram sobre o clima beligerante estimulado por Lula nos comícios do PT, a iminente entrada do ex-presidente no pântano da Petrobras, a contra-ofensiva de Aécio no programa eleitoral de que participaram Marina Silva e Renata Campos, a pesquisa Datafolha divulgada nesta quarta-feira e a transformação das mulheres em arma eleitoral pelo benfeitor da vigarista Rosemary Noronha.

Lauro Jardim: um novo erro pode abalar as instituições de pesquisa

O Giro de reportagem de VEJA acompanha a corrida eleitoral de Aécio Neves e Dilma Rousseff em época de enxurrada de pesquisa eleitoral. Lauro Jardim, no "Seu Voto no Radar", fala que os institutos de pesquisas não serão os mesmos se errarem novamente.


Por veja.com

MEDO DE DIVULGAR.

Governo Dilma 'segura' divulgação de dados negativos para não prejudicar campanha.

Com disputa acirrada, brasileiros chegarão às urnas sem saber resultado da arrecadação e desempenho de alunos em português e matemática.

Dilma: números comprometedores, só depois de domingo
Dilma: números comprometedores, só depois de domingo (Gabriel Garcia Soares/Estadão Conteúdo)
O governo federal adia a divulgação de indicadores sobre economia e educação pelo temor de que números negativos possam prejudicar a campanha da presidente-candidata Dilma Rousseff (PT). Em meio à acirrada disputa presidencial, os brasileiros chegarão às urnas no próximo domingo, portanto, sem conhecer o resultado da arrecadação de impostos e contribuições federais em setembro e da reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN). Reportagem do jornal Folha de S. Paulo relata nesta quinta-feira que o desempenho dos alunos da educação básica em provas de português e matemática também será um mistério até 26 de outubro.
Na semana passada, uma decisão inédita tomada pela direção do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), de proibir a publicação de estudos realizados pelos pesquisadores envolvendo dados públicos divulgados entre julho e o fim das eleições presidenciais, deu origem a mais uma crise interna. O diretor de estudos e políticas sociais do Ipea, Herton Araújo, colocou seu cargo à disposição por discordar da definição da cúpula do Instituto e pediu sua exoneração. Não se trata do primeiro estudo preso nas gavetas do Ipea. O site de VEJA revelou, em setembro, que o Instituto havia engavetado outro levantamento, desta vez, feito com base nos dados das declarações de Imposto de Renda de brasileiros, e que mostrava que a concentração de renda havia aumentado no Brasil entre 2006 e 2012. A tese, curiosamente, contraria o discurso recorrente dos governos petistas. 
Depois de atrasar a divulgação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) relativos a 2013 no primeiro turno, o governo federal acabou por liberar o resultado do indicador – que mede a qualidade do ensino nos ciclos fundamental (1º a 9º ano) e médio de escolas públicas e privadas de todo o Brasil – sem detalhar o resultado dos alunos em cada âmbito, relata a Folha. Logo, não é possível saber qual o desempenho dos estudantes em português e matemática.
Os dados conhecidos revelam que há estagnação nas duas etapas. Nos anos finais do fundamental e no médio, todos os indicadores gerais ficaram abaixo das metas previstas: isso inclui as médias nacional e das redes públicas (estaduais e municipais) e privadas. A exceção foi registrada nos anos iniciais do ensino fundamental, em que a única constatação negativa ficou na rede privada, que não atingiu a meta estabelecida.
Economia – Embora rejeite relação com a eleição, o governo ajustou o calendário de divulgação de dados econômicos de setembro para depois da votação. Ninguém quer repetir o chamado "efeito ovo". O episódio foi provocado pelo secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Marcio Holland, ao recomendar a troca de carne bovina por ovos ou frango por causa da inflação. A declaração foi usada na TV pelo candidato Aécio Neves (PSDB). Em resposta, Dilma teve de desautorizar publicamente o secretário.
A previsão é de que os dados sobre arrecadação, que não devem vir favoráveis, sejam divulgados na próxima quarta-feira, dia 29. Os números são tradicionalmente divulgados mais cedo, mas, mesmo assim, a Receita nega que a decisão tenha relação com a realização do segundo turno no próximo domingo. No ano passado, a divulgação dos dados ocorreu no dia 22 de outubro. Este ano, o anúncio ficou para os últimos dias do mês apenas em abril. Vale lembrar que na próxima terça-feira não deve haver expediente no Ministério da Fazenda por causa do feriado do Dia do Servidor Público.
A divulgação dos dados da dívida pública federal será na segunda. A reunião do CMN foi adiada do dia 23, segundo constava no site do Banco Central, para o dia 30. A assessoria do BC informou que a data original foi escolhida, em princípio, para evitar proximidade com a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), marcada para terça e quarta. A mudança teria sido ocasionada por questões de agenda.
‘Paradeira geral’ - O resultado desfavorável da arrecadação nos últimos meses tem dificultado o fechamento das contas do governo. A Receita esperava, no início do ano, um crescimento real de 3% em relação a 2013. Mas já reduziu a 1%, mesmo com o reforço de receitas extras, como o Refis. Em razão disso, as contas públicas devem registrar novo déficit primário em setembro. Técnicos do governo afirmam que "está uma paradeira geral" na área econômica nesta semana. Há decisões importantes que precisam ser tomadas até o fim do ano. A principal é a estratégia para a política fiscal. Com a piora das contas públicas em setembro, cujo anúncio ficou para a próxima semana, o governo terá de decidir se mudará a meta de superávit primário fixada para 2014 na Lei de Diretrizes Orçamentária. Uma fonte disse ao jornal O Estado de S. Paulo que a discussão está parada à espera do resultado das eleições.

TIREM AS CRIANÇAS DA SALA

Tirem as crianças da sala (2)

Só restam dois dias de propaganda eleitoral na televisão
Ricardo Noblat.

CALCINHA

Doleira flagrada com dinheiro na calcinha é condenada.

Nelma Kodama pega 18 anos de prisão e multa por 91 crimes de evasão de divisas.

DÍZIMO


O candidato ao governo do Rio Marcelo Crivella e a mulher Sylvia Jane Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo

Mulher e filha de Crivella são proprietárias de casas nos EUA.

Campanha diz que recursos saíram de rede de iogurterias no DF.

CORRUPÇÃO


Viagem. Entidade levou 99 ônibus a Petrolina (PE) com pessoas dispostas a apoiar comício de Dilma Rousseff (PT)
Foto: Ichiro Guerra

ONG que reforçou ato de Dilma tem convênios com o governo federal.

Articulação do Semiárido Brasileiro (ASA) recebeu mais de R$ 500 milhões do próprio governo Dilma.
  • 23 DE OUTUBRO DE 2014
    A começar pelo presidente do PT, Rui Falcão, que espuma de raiva quando se refere ao juiz federal Sérgio Moro, aquele que desmantelou o esquema de corrupção instalado na Petrobras em 2006, no governo Lula, até metade do governo Dilma, o PT decidiu representar contra o magistrado no Conselho Nacional de Justiça. As críticas a Moro já foram rechaçadas por entidades de magistrados e de procuradores.
  • O PT acusa Moro de “vazar depoimentos”, na verdade públicos, do ex-diretor Paulo Roberto Costa e do megadoleiro Alberto Youssef.
  • As gravações dos depoimentos de Paulo Roberto e Youssef não estavam protegidas por sigilo, como a própria Justiça já esclareceu.
  • Os advogados do PT tentam construir a alegação de que o juiz “beneficiou” a oposição, ao autorizar a divulgação dos depoimentos.
  • O advogado Antônio Figueiredo Basto pedirá ao juiz Sérgio Moro para cancelar a ida de Youssef à CPMI do Petrolão: “Seria perda de tempo”.
  • A presidenta Dilma sinalizou a assessores próximos a intenção, caso vença domingo, de demitir o ministro Paulo Bernardo (Comunicações) e nomear o deputado paulista Ricardo Berzoini (PT), atual ministro de Relações Institucionais. Ele entende tanto de Comunicações quanto de Previdência (pasta que ocupou no governo Lula), ou seja, quase nada, mas conquistou a estima e a confiança de Dilma nos últimos meses.
  • Paulo Bernardo e a mulher, Gleisi Hoffmann (PT-PR), foram acusados de receber R$ 1 milhão do esquema de corrupção na Petrobras.
  • A denúncia contra Paulo Bernardo e Gleisi foi do operador do esquema de dinheiro roubado da Petrobras, o ex-diretor Paulo Roberto Costa.
  • A gestão de Berzoini na Previdência foi marcada pela crueldade de obrigar velhinhos a se recadastrar pessoalmente em postos do INSS.
  • O candidato tucano Aécio Neves sonha com um apoio que pode ser decisivo, na reta final da campanha: Joaquim Barbosa, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal que o PT trata como inimigo nº 1.
  • O governador fluminense Luiz Pezão (PMDB) ficou revoltado quando soube que Paulo Roberto Costa o citou entre beneficiados de doações. Ele disse que manteve relacionamento rigorosamente institucional com o ex-diretor da Petrobras, e deverá processá-lo na Justiça.
  • Relatório preliminar da empresa Sedek Tecnologia & Informação aponta que em 2014 foram protocolados 21.632 processos no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Dois terços deles após o início das eleições.
  • O PSDB minimiza, nos bastidores, pesquisa Datafolha que colocou Aécio Neves quatro pontos abaixo de Dilma. Lembra que o instituto de errou com José Serra em 2010, e com Aécio no 1º turno este ano.
  • A Secom do Planalto enviou nota à coluna negando ter contratado o Ibope para aferir audiência “traço” da TV Brasil. Mas o Portal da Transparência expõe os extratos de contratos com “inexigibilidade”, ou seja, sem licitação, para medir audiência em ao menos seis estados.
  • Ciente de que não daria em nada a reunião da CPMI do Petrolão, ontem, a tropa de choque do governo nem apareceu. O único petista presente, além do relator Marco Maia (RS), foi Afonso Florence (BA).
  • Na CPMI, o líder do PPS, Rubens Bueno (PR), afirmou que Petrobras deveria dar atestado de “corruptice crônica”, enquanto Afonso Florence (PT) foi ridicularizado ao apelar para o “coração valente” de Dilma.
  • A pedido do vice-presidente Arlindo Chinaglia (PT-SP), a Secretaria-Geral da Câmara pediu ao Ministério da Justiça o restabelecimento da escolta da Polícia Federal ao deputado Luiz Couto (PT-PB).
  • O governador do DF, Agnelo Queiroz (PT), fora do segundo turno, decidiu recomendar voto nulo aos eleitores petistas. É o voto Agnulo.

22/10/2014

CÍNICO

Lula: Show de cinismo

Para apresentar Dilma Rousseff como coitadinha, Lula diz que nunca chamou de "leviano'' um chefe de governo. Fez mais do que isso, acusou o presidente Sarney de ladrão e referiu-se a Itamar Franco como ''filho da p''.

LIVRE E LIBERADO

Atenção, senhores: podem roubar à vontade!

O eleitor não está nem aí.
Ricardo Noblat
Dilma guardou silêncio por mais de mês sobre o escândalo de corrupção que reduziu à metade o valor da Petrobras.
O escândalo tem a ver com o desvio de recursos para enriquecer políticos que apoiam o governo e financiar campanhas. A de Dilma, inclusive.
Por que na semana passada, finalmente, Dilma avisou a jornalistas que a entrevistavam: “Houve desvio, sim!”?
Primeiro: o desgaste de continuar fingindo que desconhecia o escândalo estava pegando mal junto a formadores de opinião.
Segundo: Dilma se sentiu confortável para reconhecer o escândalo ao saber que políticos do PSDB também meteram a mão na grana da Petrobras.
Ora, se todos roubam por que não podemos roubar? Se todos são uns pilantras por que não podemos ser?
E daí?
Daí, nada.
Salvo uma parcela do eleitorado que baba de raiva quando ouve falar em roubalheira, o resto está pouco se lixando. Parte do pressuposto de que todo político é ladrão. E de que só nos resta aturá-los.
O mensalão 1, o pagamento de propina a deputados federais para que votassem como queria o governo, fez tremer o governo no segundo semestre de 2005. Lula chegou a pensar em desistir da reeleição.
O primeiro semestre do ano seguinte começou com a recuperação da popularidade de Lula. O segundo terminou com a reeleição de Lula com larga vantagem de votos sobre Geraldo Alckmin (PSDB).
João Vaccari, tesoureiro do PT e representante da campanha de Dilma junto à Justiça Eleitoral, está metido até o último fio de sua quase careca na corrupção que ameaça engolir a Petrobras.
Vaccari foi nomeado por Dilma para o Conselho Administrativo da Itaipu Binacional. Ganha R$ 20 mil para participar de duas reuniões mensais.
- A senhora confia em Vaccari? Confia? – perguntou Aécio a Dilma no debate da TV Record.
Dilma fez que não ouviu.
Desde que façam alguma coisa pelos mais pobres, os políticos poderão continuar roubando à vontade.
Corrupção custa caro (Foto: Arquivo Google)Corrupção custa caro (Imagem: Arquivo Google)

DIÁRIO DO PODER - CLAUDIO HUMBERTO

  • 22 DE OUTUBRO DE 2014.
    Dos R$ 12,7 milhões pagos pelo governo Dilma Rousseff (PT) a institutos de pesquisa, R$ 11 milhões foram destinados somente a empresas do grupo Ibope. E sempre sem licitação. O Ibope embolsou R$ 5,2 milhões, por exemplo, somente nos últimos três anos e dez meses, para confirmar o que todo mundo já sabe, principalmente no governo: não sai do “traço” a audiência da TV Brasil, a “tevê do Lula”.
  • A TV Brasil, em Brasília sintonizada no canal 2, é mantida pela estatal Empresa Brasil de Comunicação (EBC), criada no governo Lula.
  • Os pagamentos do governo Dilma a institutos de pesquisa saíram da verba publicitária da Secretaria de Comunicação da Presidência.
  • Em 2013, por exemplo, o Ibope recebeu do governo federal mais de R$ 1 milhão para aferir a audiência da TV Lula.
  • Outros institutos, como Datafolha e MDA, ganharam um bom dinheiro no governo Dilma, mas quase dez vezes menos que o Ibope.
  • O deputado Luiz Couto (PT-PB) foi informado pela Polícia Federal, sexta (17), da suspensão de sua escolta policial, motivada por supostas ameaças de morte de grupos de extermínio na Paraíba. Couto obteve a segurança em 2010, com interveniência da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, e atribui as ameaças a uma milícia que teria assassinado mais de 200 pessoas, inclusive um ativista, Manoel Matos.
  • É caro manter equipes de segurança como a de Luiz Couto por 4 anos, sobretudo porque a PF enfrenta hoje a maior pindaíba de sempre.
  • Luiz Couto suspeita de “retaliação” de delegados, pelo apoio a projetos que favorecem agentes da PF, e se queixou ao ministro da Justiça.
  • Em outubro de 2013, a PF descobriu suposto plano de um ex-policial militar, que teria contratado dois pistoleiros para matar Luiz Couto.
  • O Solidariedade e o PSDB pedem na CPMI da Petrobras, nesta quarta, a oitiva da ex-ministra Gleisi Hoffmann e o marido, ministro Paulo Bernardo (Comunicações), para explicar suas relações com o petrolão.
  • Dias antes de ser acusada de envolvimento no petrolão, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) passeava tranquilamente seu cachorro de estimação na 309 Sul, quadra onde moram senadores em Brasília.
  • O conde e vereador Andrea Matarazzo (PSDB), que tomou uma “surra” do deputado Arlindo Chinaglia (PT) diante de alunos da FGV, tem sido criticado até por tucanos, que atribuem à sua influência no marketing político a derrota de Serra em 2010 e o papel de Aécio no 2º turno.
  • Seja para comemorar ou se lamuriar, parlamentares e servidores da Câmara terão dia de folga após eleições de domingo: o feriado de terça (28), Dia do Servidor, foi antecipado para segunda (27).
  • O comitê de Dilma no Rio decidiu cancelar a participação dela e de Lula em evento nesta quarta na Cinelândia. PT acha que não precisam ir porque é “sólida” a liderança sobre o tucano Aécio Neves no Estado.
  • Condenado a 2 anos e 6 meses, ontem, no Supremo, por violação de sigilo funcional qualificado na operação Satiagraha, o deputado e delegado federal Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) diz que foi derrotado por fraude, que está sob investigação no Ministério Público paulista.
  • Candidato ao governo do Ceará, o senador Eunício Oliveira (PMDB) focará a campanha nesta reta final em municípios do interior, onde o adversário Camilo Santana (PT) tem maior intenção de votos.
  • O membro da Comissão Nacional de Estudos Constitucionais da OAB e diretor jurídico da Universidade Mackenzie, José Francisco Siqueira Neto participa nesta quarta da Conferência Nacional dos Advogados, no Rio. Ele vai falar sobre “A organização jurídica da infraestrutura”.
  • … o dólar e Bolsa de Valores parecem mais cabos eleitorais que índices e instituições de mercado.